Pesquise no blog:

Carregando...

Tradutor

terça-feira, 3 de abril de 2012

O intervalo da travessia...

"Nessas fases doídas da caminhada, a gente esquece, sim, de que tudo passa. 

Esquece, sobretudo, que precisamos permitir que passe. E que não há muito o que fazer nesses momentos, senão entregar e confiar, eta tarefa difícil. 

Deixar que as coisas morram e abram espaço para o novo.

Aceitar o intervalo da travessia, em que as coisas não têm mais a forma antiga nem ainda a forma nova. O tempo da crisálida: nem mais lagarta nem vôo ainda.

 Respeitar a cadência natural das gestações. Lembrar que precisamos ser delicados e generosos com nós mesmos para atravessar a frente fria até o sol surgir de novo..."

Ana Jácomo


É exatamente assim que me sinto...
Ana Jácomo sempre maravilhosa, consegue colocar em palavras o que sentimos lá no fundo 
e muitas vezes não conseguimos expressar.
Salve! :)


9 comentários :

  1. Salve Ana Jácomo!
    Salve as palavras e imagens que expressam, revelam, esclarecem nossos sentimentos e sentidos!
    Salve os tempos de crisálida, de espera, de renovação!

    ResponderExcluir
  2. Vi teu comentário na Tina, sobre o ego, bela leitura!

    Amei o intervalo da travessia, e viva o eterno ser-e-vir-à-ser!

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Eh verdade, ela e excelente com as palavras, meu oposto.
    Bjs e tudo de bom pra vc neste dia.

    ResponderExcluir
  4. Olá querida Sheila,
    Dar tempo ao tempo, é o que precisamos fazer e orar muito para que as fases ruins de nossa vida passem, como tantas outras já passaram. Deus sabe sempre o que é melhor para nós, amiga.
    Lindo o texto. Adorei!
    Um grande beijo.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  5. oi Sheila,

    Ana Jácomo tem a sensibilidade na ponta dos
    dedos,
    e as revela com o coração...
    linda escolha!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Olá Sheila querida!

    Sempre digo a uma grade amiga: devagar e sempre, um passo a frente e já não estamos no mesmo lugar! Cada um de nós em suas travessias!

    Ou ainda como diria Rubem Alves: "Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses..."

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  7. Sheila querida, este texto foi um alento para os meus pensamentos, estou passando pela travessia!!!

    Um super beijo

    www.emporiocasadachiquinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Sim! Concordo contigo! Ana Jácomo, sabe colocar em palavras aquilo que estamos sentindo. E você, linda Sheila, através do teu blog, nos dá a oportunidade de encontrar essas palavras e esse acalento que precisamos para poder atravessar esses momentos, que por tantas vezes parecem intransponíveis...
    OBRIGADA!!!
    Ah! Não consegui "levar" o Coelhinho para o Art By Lelê... sniff...sniff...(sou cabecinha dura na net...rs...)
    Bjs de carinho em teu coração!

    ResponderExcluir
  9. Verdade profunda... Travessia difícil de passar... E como nos debatemos! A verdade é que devemos sim, parar e olhar para nós mesmos com carinho e atenção, afagando nossa própria cabecinha cansada. Mas, vou passar, como todo mundo, senão, a ferida não fecha. Eu me amo muito!!
    E adoro você flor! Beijo! Vy

    ResponderExcluir

Fico feliz com a sua companhia!
E fico mais feliz ainda quando você deixa um comentário!
Obrigada viu! :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...